Fique por dentro das fases de alimentação dos suínos

A criação de suínos exige cada vez mais as aplicações tecnológicas e o fornecimento de alimentos que maximizem o desempenho do animal com o menor custo de produção possível. Assim, há uma grande exigência da atenção dos suinocultores na escolha cuidadosa da formulação de rações e a mistura correta dos ingredientes.

Os suínos possuem o trato digestivo relativamente pequeno, com baixa capacidade de armazenamento. Por isso, necessitam de dietas bastante concentradas e balanceadas para terem alta capacidade de digerir os alimentos.

Você sabe qual o tipo de alimentação ideal para sua criação de suínos? Um manejo nutricional adequado é variável de acordo com a fase do animal. Veja em seguida os principais estágios da alimentação.

Fases de alimentação dos suínos

Gestação: Nesta fase deve-se restringir a energia da dieta das fêmeas, mantendo somente os demais nutrientes.

Lactação: Há uma maximização do consumo de alimentos nesse estágio, com o objetivo de aumentar a produção de leite para os leitões.

Leitões do nascimento ao desmame: É importante que os animais recebam nesse ciclo o colostro antes das primeiras 24 horas de vida. Ele serve como fonte de energia e fornece anticorpos necessários para o crescimento, além de proporcionar aos suínos resistência a diversas enfermidades.

Leitões pós-desmame: é uma fase complexa e delicada no ponto de vista nutricional. Pois, nessa fase os animais substituem a alimentação líquida (leite) para a sólida (ração).

Crescimento: essa etapa inicia aos 25 kg e vai até os 60 kg. Ela representa cerca de 25% dos custos de alimentação, é aqui que acontece o crescimento do tecido magro do animal. Por isso, seus níveis nutricionais precisam ser diferenciados.

Terminação: representa a maior parte dos custos com a alimentação do animal, vai dos 60 kg até o seu abate.

As exigências nutricionais dos suínos são variáveis de acordo diversos fatores, como por exemplo:

- Potencial genético;

- Idade;

- Sexo;

- Peso;

- Fase produtiva;

Dessa forma, deve-se levar em conta todas essas diferenças para se obter a máxima eficiência produtiva do animal.

Sistemas de nutrição de engorda de suínos

Mesmo que diversos sistemas de nutrição sejam aplicados durante o período de engorda de suínos, grande parte da alimentação desses animais ocorre por meio de farelos, rações trituradas, alimentação seca, mista, dosada ou a vontade.

Alguns produtores são adeptos da alimentação úmida ou líquida pelo fato de ser facilmente digerida, e aparentemente proporcionar maiores pesos aos suínos.

O soro de leite e resíduos da produção da cana-de-açúcar e cerveja são alguns exemplos desse tipo de alimentação. Mas, apesar de proporcionar a engorda do animal ela tem a desvantagem de não garantir boas carcaças em virtude de maior teor de gordura.

Já a dieta sólida, proporciona carnes mais magras e consequentemente menor peso. Como o mercado tem privilegiado carnes desse tipo, é cada vez mais comum o investimento em genética para sua obtenção.

Sendo assim, é preciso que o produtor avalie quais os custos e benefícios de ambas opções que sejam mais rentáveis para seu negócio. De toda forma, o retorno positivo só vai acontecer se o suinocultor tiver os conhecimentos necessários para proporcionar ao seu plantel a melhor alimentação.

Quer se aprofundar ainda mais no assunto? Clique no link abaixo e saiba tudo sobre o mundo da suinocultura e avicultura:

Portal Suínos e Aves

Fontes: Universidade Federal Rural de Pernambuco e Boletim Informativo de Pesquisa Embrapa Suínos e Aves

 

Cursos

Destaques

Notícias

Parceiros

Suinos

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2018 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.