Silagem de milho na alimentação animal: Muita energia e proteína para o gado!

milho na alimentação animalUsar a silagem de milho na alimentação animal é uma prática comum em propriedades leiteiras e de corte. Acontece, que o milho é uma rica fonte de energia, além de ser um alimento palatável e com alta digestibilidade. Assim, quanto maior a proporção de grãos em uma silagem, maior será o seu valor nutricional.

O principal desafio é produzir uma forragem de qualidade usando tecnologias que possibilitem a redução de custos. Para isso, é preciso conhecer bem as etapas do processo de produção. O manejo inadequado aumenta as perdas de matéria seca, interferindo na consistência e qualidade da silagem. Além disso, afeta a produtividade e saúde dos animais.

Por isso, reunimos informações importantes sobre os fatores que devem ser levados em consideração para obter uma produção de sucesso. Fique com a gente até o final e boa leitura!

Alternativa para nutrir o rebanho

A silagem de milho na alimentação animal surgiu como uma estratégia para suprir as necessidades nutricionais dos animais em períodos mais secos. Os padrões de qualidade da silagem sofreram variações com o passar dos anos. No início a prioridade era produzir a maior quantidade possível de massa verde por hectare. Desta forma, o objetivo era reduzir os custos de produção do alimento.

Com o passar do tempo houveram melhorias no padrão genético das vacas. Além disso, houve o entendimento de que a produção de silagens com maior proporção de grãos seria a melhor alternativa. Isso, porque eles são mais digestíveis do que as folhas e colmos.

Neste período, o milho se tornou uma das matérias-primas mais utilizados para o processo de silagem. As principais justificativas são:

  • Alto valor nutritivo;
  • Conversão alimentar;
  • Boa aceitação pelos animais;
  • Custos razoáveis de produção.

Etapas importantes da produção de silagem de milho

Plantio: qualidade é um fator determinante na produção de silagem e ela deve estar presente em todas as etapas do processo. Na etapa de plantio e condução da cultura é importante o acompanhamento agronômico de um profissional responsável.


Ponto de colheita: Quando a porcentagem de matéria seca do milho está em torno de 30% é um bom momento para realizar a colheita. Geralmente o ponto ideal dura por cerca de dez dias. Após este prazo o teor de massa seca se eleva e faz com que sejam maiores as perdas na colheita e dificulta o processo de compactação. Além disso, interfere diretamente na digestibilidade dos animais, o que sem dúvidas afeta a produtividade e desempenho.

Compactação: Um dos pontos principais para a obtenção da qualidade na silagem é o processo de fermentação. Então, para que isso aconteça é preciso retirar o máximo possível de oxigênio da massa que será ensilada. Além de controlar a respiração, favorece a elevação da temperatura e a ação das bactérias produtoras de ácido láctico. Desta forma, a compactação é responsável por garantir que o processo seja realizado com maior eficiência.

Ensilagem: Esta etapa irá variar de acordo com a silagem escolhida e compreende outras quatro fases. São elas:

  • Fechamento do silo;
  • Fermentação ativa;
  • Fase ativa;
  • Abertura do silo;

Capacidade de armazenamento do silo

Existem diversos tipos de silos disponíveis, e cada um possui benefícios e restrições em seu uso. Mas de forma geral existem alguns cuidados que facilitam o trabalho. Quanto mais próximos eles estiverem dos animais, mais fácil será para carregar e descarregar a silagem. E mais, a capacidade de armazenamento do silo deve ser avaliada levando em consideração o volume produzido, o nível de compactação e o teor de matéria seca.

Para isso é preciso planejar bem a quantidade de silagem que será utilizada durante o ano, estocando uma quantidade superior ao planejado. Pois, podem ocorrer perdas ao longo do processo de fermentação e retirada para o fornecimento.

Viu como é importante conhecer todas as etapas do processo de produção e utilização da silagem de milho na alimentação animal? Vale lembrar que quanto mais rápido for o processo desde a colheita até a vedação, menores serão as perdas durante a fermentação e no valor nutricional do alimento.

Você é pecuarista e gosta de utilizar as melhores técnicas na propriedade? Então a dica final é para você. No curso de manejo nutricional de gado de corte do nosso parceiro CPT Cursos Presenciais você aprenderá sobre os diferentes sistemas de alimentação buscando alcançar maior produtividade. Veja alguns dos conteúdos que os alunos encontram no curso:

  • Conhecer o alimento e manejo ideal para sua condição;
  • Instalações para alimentação e manejo em geral;
  • Alimentação de bovinos de corte na seca;
  • Manejo dos animais nas pastagens;
  • Manejo alimentar no confinamento;
  • Balancear dietas.

As aulas são ministradas por professores especialistas que vão te ajudar a alcançar o melhor custo benefício compatível com o seu rebanho. Mas não perca tempo, pois as turmas são reduzidas para que você tenha total atenção durante as aulas. Clique no banner abaixo e confira mais informações!

Fonte: Tecnologia no campo, Rehagro e Tecnologia no campo  

 

Agricultura

Artigos

Bovinos

Bovinos de Corte

Bovinos de Leite

Cursos

Destaques

Mecanização

Milho

Notícias

Parceiros

Pastagens

Pecuária

Tecnologia

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.