Período de monitoramento das lavouras de soja e milho

No ano de 2011 nesta mesma época os produtores de grãos de regiões do Norte do Rio Grande do Sul, estavam passando por um momento de grande preocupação devido a seca que assolou a região. No momento atual os produtores rurais comemoram a cada semana de clima favorável. As chuvas com normalidade, durante o mês de dezembro, garantem um desenvolvimento sadio com boas projeções de produtividade de soja e milho, as duas principais atividades econômicas dentro das propriedades rurais durante o período de verão.

Para Mauro Rohr, agrônomo da Coagril, o clima com precipitações pluviométricas normais repassa ao produtor de grãos um alívio. Em relação as suas estimativas de produção para a safra 2012/2013, o agrônomo ressalta "o momento é de observações e vistorias nas lavouras. A natureza vem fazendo a sua parte. Cabe agora o produtor rural manter cuidados básicos que chegam pela orientação técnica, para não ser surpreendido com os problemas que podem surgir em uma lavoura de grão".

Nas áreas cultivadas principalmente com soja é bom ficar alerta para possível surgimento de pragas e doenças. Conforme Rohr, os maiores cuidados precisam ser direcionados para as lavouras plantadas com a oleaginosa durante o mês de outubro, que estão se aproximando do fechamento das linhas, ou seja, o solo começa a ser coberto pelas plantas, que continuam no processo de desenvolvimento. "É neste estágio mais avançado que as pragas e doenças começam a surgir exigindo, desta maneira, uma fiscalização quase que diária das culturas mais adiantadas".

Os produtores rurais estão recebendo as primeiras orientações para o controle preventivo de doenças com aplicação de fungicidas, tanto que em determinadas áreas já está havendo a aplicação do produto químico, aponta Rohr. "Havendo uma continuidade do clima, resta ao produtor à responsabilidade de cuidar da sua plantação de grãos".

O agrônomo explica que o tratamento preventivo, antes do fechamento de linhas, deve ser realizado para garantir a saúde das camadas de folhas da soja mais próximas do solo. Até o momento o avanço das plantas e a resposta positiva do clima estão dando maior credibilidade às projeções de produtividade. Da oleaginosa, a estimativa de média está sendo firmada na casa das 60 sacas por hectare. O agrônomo ressalta que ainda restam cerca de 90 dias, até a safra se iniciar, para uma afirmação de produtividade.

A colheita do milho deve ter início daqui uns 20 dias, há lavouras em fase final de enchimento de grãos, "com mais uma chuva estas áreas certamente estarão com a produção garantida", disse o agrônomo. Por outro lado ele aponta que haverá perda de produtividade na casa dos 20%, em função de uma carência de chuva registrada no mês de novembro, bem no momento crítico da planta. Mesmo assim a estimativa é de que estas áreas produzam uma média de 150 sacas por hectare. Rohr lembra que as partes plantadas em período mais tardio necessitam de mais um mês de chuvas, como as que estão sendo registradas, com média de 30 a 40 milímetros por semana. "Em resumo as lavouras estão bem encaminhadas para termos uma boa safra de grãos", concluiu Mauro Rohr.

Fonte: Diário da Manhã

Adaptação: Revista Agropecuária

 

 

 

Conheça o Curso de Produção de Milho no Sistema de Plantio Direto

 

 

 

    Veja outras publicações da Revista Agropecuária: Como melhorar o Manejo reprodutivo de ovinos Condição atual da doença da vaca louca no Brasil deverá garantir novos mercados Controle Biológico e prático de insetos do maracujazeiro  

 

Milho

Notícias

Soja

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2020 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.