Análise do solo: ferramenta indispensável para a agricultura

O aumento da demanda por alimentos, fibra e energia faz com que a agricultura assuma um papel cada vez mais importante no cenário mundial. A necessidade de produzir cada vez mais, e de forma sustentável, é um grande desafio para técnicos e produtores. O uso eficiente dos recursos naturais como terra e água e dos insumos, principalmente fertilizantes e defensivos, tornou-se objetivo essencial para a agricultura.

 

Existem três formas de aumentar a produção: aumento da área cultivada, da produtividade e maior intensidade de cultivo.

 

O Brasil é um dos poucos países que podem contribuir efetivamente para isso, já que possui a maior extensão de terras agriculturáveis no mundo, produtividades médias  que podem ser melhoradas para a maioria das culturas e clima favorável, e permite que se faça mais de uma safra por ano. No entanto, em qualquer dos casos, existe a necessidade de se utilizar doses elevadas de corretivos e fertilizantes, já que a maior parte dos solos brasileiros, principalmente os da região do cerrado, apresentam  baixa disponibilidade de nutrientes para as plantas, além de condições adversas como acidez e alto teor de alumínio.

 

Uma das grandes preocupações para o país é a sua alta dependência na importação de fertilizantes minerais, tornando- o extremamente vulnerável às oscilações de preço do mercado internacional. O aumento do preço dos fertilizantes poderá pesar bastante nos custos de produção, sendo, portanto, de fundamental importância que seja usado com a máxima eficiência.

 

A eficiência na aplicação de corretivos e fertilizantes depende de  alguns fatores a ser levados em conta, como as necessidades nutricionais da cultura, a marcha de absorção de nutrientes, fertilidade atual do solo, histórico da área e produtividade desejada, sendo que as necessidades nutricionais e a marcha de absorção de nutrientes são conhecidas para a maioria das culturas.

 

A principal ferramenta utilizada para avaliar a fertilidade do solo é a análise química. Apesar de algumas limitações metodológicas, como problemas na representatividade da amostra, na padronização de extratores químicos empregados e dos valores críticos de nutrientes estabelecidos para o solo e folha, é o método mais rápido, preciso, seguro e de menor custo, servindo de base para o uso racional de corretivos e fertilizantes.

 

A aplicação de subdoses de fertilizantes faz com que a planta não atinja todo o seu potencial de produção, e a aplicação em excesso pode, além de elevar os custos de forma desnecessária, poluir o meio ambiente.

 

Uma agricultura competitiva e sustentável auxilia o agricultor, aumentando a  produtividade e  reduzindo os  custos, além de  proteger o meio ambiente, ajudando a preservar os recursos naturais. Lembrem-se: o cuidado dedicado à terra reverte-se em produtividade.

 

Auror: Luis Eduardo Rissato ( Eng. Agronomo e Professor da FATEC)   Fonte: Portal Dia de Campo    

Agricultura

Artigos

Destaques

Fertilização

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2022 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.