Compostagem e adubação orgânica: produtividade com proteção ao meio ambiente.

A adubação orgânica já é muito usada, hoje em dia, sendo a maneira mais rentável de se produzir alimentos. Os adubos orgânicos devem ter alto valor agregado e baixo custo de aquisição e produção. Eles podem ser produzidos a partir de matérias primas próprias ou adquiridos de terceiros e se diferenciam dos adubos convencionais pela sua atividade e atuação sobre o solo, as plantas e o ambiente, onde normalmente surte efeitos mais positivos, como um todo, produzindo menor impacto que os convencionais.

 

Descrição dos principais fertilizantes orgânicos

 

Corretivos de solo: Normalmente os corretivos de solo são necessários para iniciar o processo de agricultura orgânica em muitos tipos de solo no Brasil.  Permite-se a utilização dos corretivos em escala abaixo da recomendação oficial das análises de solo, de produtos como calcário dolomítico, calcário calcítico e calcário magnesiano, na quantidade máxima de 2,0 toneladas/hectare. Existem outros produtos, como calcário de conchas que também podem ser empregadas como corretivos, mas são pouco utilizados. Posteriormente, quando as condições de equilíbrio com a utilização de matéria orgânica, adubação orgânica, adubação verde e manejo vão se adequando, praticamente não é necessário o emprego de corretivos minerais.

 

Pós de Rochas: Podem ser utilizados os resíduos em forma de pó das mais diversas rochas encontradas nas regiões, como complemento nutricional. Ex. Todos os tipos de fosfatos naturais, como de Araxás, Patos de Minas, Apatitas, etc, Pós de Basalto, Granito, Granodiorito, Diabásio, Micaxisto, Silvenita, Carnalita, Kaineita, etc.

 

Cinzas e Carvões: Podem ser utilizadas as cinzas e carvões da queima de madeiras diversas, resíduos industriais não contaminantes e bagaço de cana. Cuidado para não utilizar cinzas de queimas, que possam conter substâncias tóxicas e metais pesados.

 

Outro meio de se conseguir fertizantes orgânicos é pela compostagem, sistema onde se reaproveitam os nutrientes de restos culturais e dejetos orgânicos.

 

Métodos de compostagem:

 

Pode-se processar de três maneiras:

 

Aeróbia: Caracteriza-se pela presença de ar no interior da massa, pelas temperaturas elevadas que ocorrem na liberação de gás carbônico, de vapor de água e pela rápida decomposição da matéria orgânica, elimina organismos e sementes indesejadas. (Esta é a compostagem que geralmente se realiza).

 

Anaeróbia: Caracteriza-se pela baixa temperatura de fermentação, pela ausência de ar atmosférico, pelos gases que desprendem, principalmente o metano, gás sulfídrico e outros, o que acarreta mau odor e é mais lenta que a aeróbia e não fica isenta de organismos e sementes indesejadas.

 

Mista: Método em que a matéria orgânica submete-se a um processo aeróbio seguido de um anaeróbio ou vice-versa.

 

Processo da Compostagem Orgânica:

 

Na compostagem ou processo de transformação dos resíduos orgânicos, em adubo, dois estágios importantes podem ser identificados: o primeiro é a digestão, que corresponde à fase inicial do processo de fermentação em que o material alcança o estado de bioestabilização; o segundo é a maturação, durante o qual a matéria prima atinge a humificação (KHIEL, 1985).

 

Produtos para aceleração de compostagem:

 

Para acelerar e incrementar os processos de compostagem, existem produtos inoculantes à base de microrganismos, como exemplo o "Yuk-Shin", este é formado por diversos tipos de microrganismos benéficos que podem proporcionar um processo de compostagem em cerca de um terço da metade do tempo normal.

 

O tempo de decomposição para a compostagem aeróbia é variável com o método, as condições e com o tipo de material que se deseja compostar, variando de 70 a 180 dias em média, sem inoculação, e de 40 a 80 dias quando inoculado com o "Yuk-Shin", com maior homogeneidade de produto final e maior teor de elementos químicos das matérias primas originais presentes no produto final (N, P, K e principalmente os microelementos).

 

Os microrganismos que compõe o "Yuk-Shin" são produzidos separadamente em condições apropriadas e são indicados para acelerar os processos de fermentação da compostagem aeróbia, acelerando a decomposição dos materiais orgânicos rígidos (lignina, celulose e hemicelulose) e inibindo a proliferação de microrganismos patogênicos.

 

Fonte: Site Rural Pecuária

Agricultura

Artigos

Destaques

Ecologia

Economia Rural

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2021 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.