Chip do boi

Saber a origem da carne que está nas gôndolas dos supermercados é uma exigência que veio para ficar. Após surtos de doenças, como a da vaca louca, ou a denúncia de desmatamentos para a criação de pastagens em áreas de floresta, a certificação da carne bovina passou a ser exigida pelos grandes importadores e consumidores.

O Brasil tem cerca de 200 milhões de cabeças de gado, segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. É o maior exportador mundial de carne, com valores que ultrapassam os R$ 2 bilhões por ano. Mas esse comércio só tem garantias se o boi tiver origem comprovada. Países europeus só importam carne que seja rastreada, ou seja, com informações desde o nascimento até o abate do boi, incluindo dados sobre vacina, origens e manejo.

No Brasil, a forma mais comum de monitorar o gado é por leitura ótica. A rotina de vacina, pesagem e controle é feita através de um número serial anotado por um funcionário da fazenda. Além de manual, demorado e pouco prático, o sistema dá margem a erros. O rastreamento com tecnologia importada exige investimentos e não é utilizada em larga escala no Brasil.

Aproveitando esta lacuna, o Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec), empresa pública pioneira no desenvolvimento de semicondutores no Brasil, desenvolveu o "Chip do Boi". O produto é 100% nacional, barato e confiável, destinado ao rastreamento do gado. Apesar de usar tecnologia de ponta, o sistema é simples. Cada animal recebe um brinco na orelha com um chip e uma antena. No dispositivo ficam armazenadas informações sobre o boi, que são acessadas através de um leitor eletrônico, que possui tecnologia RFID (Identificação por Radiofreqüência).

O equipamento, que ainda está sendo testado em fazendas de Minas Gerais e Mato Grosso do Sul, já apresenta resultados animadores. Com o novo processo, a pesagem do animal é feita em poucos minutos e os erros no controle manual do gado foram eliminados, já que a organização das informações é totalmente eletrônica. Além de ter sido projetado especialmente para as condições da pecuária brasileira, um dos principais diferenciais do Chip do Boi está relacionado ao custo. O sistema nacional terá um preço médio de R$3 a unidade, menos da metade do valor de tecnologias similares importadas.

Previsto para ser comercializado a partir de 2011, o Chip do Boi promete popularizar o monitoramento do gado com uso de tecnologia, prática fundamental para melhorar a gestão nas fazendas e estimular a criação de um padrão brasileiro de rastreabilidade. Além de maior valor comercial, a carne do gado rastreado é mais competitiva e impulsiona o mercado exportador brasileiro.

  Fonte: Brasil.gov Adaptação: Revista Veterinária  

Conheça o Curso de Avaliação de Tipificação de Carcaças

  Veja outas publicações da Revista Agropecuária: Como avaliar a maciez da carne bovina Brasil vai à Rússia negociar liberação de exportação de carne Brasil, maior exportador de carne bovina comercial do mundo

 

Quer ficar informado? Cadastre-se e receba nossas novidades diariamente!

Digite seu e-mail:

Notícias

Pecuária

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2020 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.