Exportação de carne ovina do Uruguai para o Brasil cresce 33,8% em comparação a 2011

De acordo com o Inac (Instituto Nacional de Carnes do Uruguai), no período de 01 de janeiro a 08 de setembro de 2012, as exportações totais de carne ovina expressa em peso com osso do Uruguai foram de 9.424 toneladas, 8,4% a mais do que no mesmo período do ano anterior, quando foram exportadas 8.691 toneladas. Os principais mercados foram, em ordem de importância, MERCOSUL, União Europeia (UE) e China, concentrando 69% do total.

Em agosto, o quilo da peça não desossada congelada custou US$ FOB 6,38 e o quilo da carne desossada congelada US$ FOB 8,29. A média de preços das peças não desossadas no período de janeiro a agosto desse ano foi de US$ FOB 5,47 e das carnes desossadas foi de US$ FOB 8,44. Em 2011, a média de preço por quilo das peças não desossadas congeladas fechou em US$ FOB 6,70 e das carnes desossadas congeladas em US$ FOB 8,41, o que demonstra pouca variação de preço comparado aos valores desse ano.

Devido à retenção de matrizes e o consumo crescente de carne ovina não só nas churrascarias como também nos supermercados, as exportações ao Brasil aumentaram esse ano. De janeiro a agosto desse ano, o Brasil importou do Uruguai 2.977 toneladas de carne ovina, crescimento de 33,84% quando comparado ao mesmo período de 2011. O Brasil prioritariamente importou peças não desossadas e carnes desossadas congeladas. Além delas, houve uma quantidade significativa de carcaças e meia carcaças frescas, refrigeradas e congeladas. No total, em agosto, o Brasil importou 413,4 toneladas.

O principal exportador de carne ovina para o Brasil é o Uruguai, porém, desde 2011, o Brasil retomou as importações argentinas e chilenas buscando suprir a demanda constante pelo produto.

A Argentina exportou para o Brasil de janeiro a agosto 190 toneladas de carne ovina, crescimento de 102,88% comparado ao ano passado e o Chile exportou 114 toneladas, queda de 57,21% comparada ao ano passado.

De acordo com a Emater/RS, embora o inverno tenha sido rigoroso, a mortalidade dos animais foi pequena e o estado corporal dos ovinos debilitados ao longo do inverno está em recuperação. O campo nativo reiniciou a brotação e as pastagens cultivadas aprestam boa produção de massa verde, propiciando boas condições de engorda e desenvolvimento dos cordeiros o que deverá proporciona boa oferta no final deste ano.

Fonte: Accoba

Adaptação: Revista Agropecuária

 

 

 

Curso de Manejo Nutricional de Ovinos de Corte (Alimentos e Alimentação)

 

 

 

Veja outras publicações da Revista Agropecuária: Produção do etanol de 2ª geração, pode chegar até a dobrar a produção Saiba por que o húmus de minhoca é tão importante para as plantas Entenda por que o Agronegócio é tão importante para o Brasil      

Quer ficar informado? Cadastre-se e receba nossas novidades diariamente!

Digite seu e-mail:

Notícias

Ovinos

Pecuária

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2020 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.