Existe diferença entre sêmen bovino fresco, resfriado ou congelado?

O bom trabalho com o sêmen bovino é fundamental para o sucesso da inseminação artificial, técnica que garante várias vantagens ao criador de gado, em especial o melhoramento genético de seu rebanho.

Mas, tão importante quanto à aplicação da técnica é a qualidade do material utilizado, como no caso do sêmen.

O sêmen pode ser encontrado em três formas: fresco, resfriado ou congelado. A grande dúvida de muitos pecuaristas é se há diferença entres essas formas.

Para sanar esse questionamento, separamos as vantagens e desvantagens para cada método de processamento do ejaculado. É fundamental ressaltar que cabe ao profissional responsável pela aplicação da inseminação analisar os tipos que melhor atendem às exigências de cada caso.

Sêmen fresco

É a forma mais simples de utilização, sendo que o diluente pode ser o próprio líquido prostático. Oferece as melhores taxas gestação, quando efetuada corretamente, mas apresenta menor flexibilidade temporal quanto à sua utilização. Este tipo de sêmen pode ser utilizado em diferentes vias de inseminação, sendo a principal a intravaginal.

Sêmen resfriado

É armazenado entre 4º a 5ºC por um período de quatro a nove dias, permitindo mais de flexibilidade de uso quando comparado ao sêmen fresco. O uso do sêmen resfriado mantém um número de espermatozóides viáveis por um período de tempo maior, se comparado ao fresco, e seu tempo de processamento é menor em relação ao congelado. Porém, a viabilidade espermática começa a diminuir após 72 horas de armazenamento, independentemente do diluente utilizado.

Sêmen congelado

Possui maior flexibilidade de uso, mas sofre as maiores mudanças em relação a qualidade pós-descongelamento, visto o tempo de armazenamento maior. É utilizado em grande escala na espécie bovina e a diminuição da viabilidade espermática após o descongelamento se deve ao grande estresse térmico, mecânico, químico e osmótico que é imposto aos espermatozóides, especialmente à sua membrana plasmática, devido a uma reorganização de seus lipídios, além da formação de cristais de gelo intracelulares.

 

 

 

 

 

Fonte: UFV

Adaptação: Revista Agropecuária

 

 

 

 

 

 

 

 

Conheça o Curso de Exame Andrológico em Bovinos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja outras publicações da Revista Agropecuária: Quer reduzir seus custos por prenhez na IATF? Veja as dicas Pasteurizar colostro? Saiba porque é necessário Aumente sua produção leiteira usando instalações adequadas    

 

 

 

 

 

 

Descongelador de Sêmen WTA por: R$ 730,00

Confira outros produtos!

 

 

 

 

     

Quer ficar informado? Cadastre-se e receba nossas novidades diariamente!

Digite seu e-mail:

 

Bovinos

Notícias

Pecuária

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2020 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.