Em 2012 a diferença entre os preços de machos e fêmeas aumentaram

De acordo com o levantamento feito pela Scot Consultoria em 2012 houve aumento na quantidade de fêmeas abatidas, o que gerou desvalorização maior nas cotações da categoria em relação à dos machos, sendo que o preço dos machos terminados em São Paulo foi 9,1% maior que o das fêmeas. No ano anterior, a diferença foi de 8%.

Entre os anos de 2007 e 2010 durante o processo de retenção de fêmeas, a diferença entre as cotações das categorias diminuiu devido à menor disponibilidade. Além da variação existente ao longo do ciclo pecuário, com as fases de retenção e descarte de fêmeas, existe a sazonalidade ao longo do ano.

A venda de fêmeas que não emprenharam na estação de monta, no primeiro trimestre de 2013, pressiona as cotações e tende a aumentar o diferencial.

Fonte: Pecuária Rural

Adaptação: Revista Agropecuária

 

 

 

 

 

 

 

Conheça o Curso de Manejo Nutricional de Gado de Corte (Alimentos e Alimentação)

 

 

 

  Veja outras publicações da Revista Agropecuária: Agricultura e irrigação - A importância do conhecimento de projetos de sistemas de irrigação para a implantação correta da irrigação Exame clínico em bovinos Feicorte NFT 2013

 

Bovinos

Notícias

Pecuária

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2020 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.