Dicas de formulação de dietas e rações para bovinos

A maioria dos países desenvolvidos criaram seus próprios modelos de exigência nutricional para bovinos e tabelas com a composição nutricional dos principais alimentos utilizados nas formulações de rações. Nos últimos 30 anos, houve uma evolução considerável no campo do conhecimento da nutrição de ruminantes. O número crescente de estudos na área e a informatização têm permitido o desenvolvimento de programas de formulação cada vez mais precisos.

A busca pela eficiência produtiva e econômica nos sistemas de produção de bovinos, tanto de corte quanto de leite, passa por adequado manejo alimentar dos animais. Além da sua importância no desempenho dos animais, a nutrição dos bovinos requer atenção especial por se tratar do principal componente do custo de produção.

As exigências nutricionais de cada categoria deverão ser atendidas de modo a promover mantença e alcance de metas. Por exemplo, a categoria novilhas deverá alcançar determinado peso e tamanho para atingir a meta de entrar em reprodução com a idade correta, normalmente, de forma precoce. As vacas, além de produzirem leite, devem se reproduzir de forma adequada, tendo o seu balanço energético adequado para tanto.

O responsável pela nutrição de um rebanho deverá ter conhecimentos sobre os alimentos e seus valores nutricionais. O entendimento de um alimento passa também pela função que o mesmo exercerá no organismo do animal, por isso o profissional do ramo pode ponderar as consequências e os benefícios da dieta, pois conhece bem a composição dos alimentos e também a forma como deverá ser oferecido, como por exemplo, o tamanho da fibra.

O Brasil é um país tropical, sendo favorável a cultivo de volumosos e grãos. Os alimentos volumosos mais utilizados nos sistemas de produção de leite no Brasil são as pastagens, as silagens de milho, sorgo ou capim e a cana-de-açúcar. Animais mantidos exclusivamente em pastagens tropicais bem manejadas têm seu potencial de produção de leite limitado em 8 a 14 kg/vaca/dia. As vacas dificilmente conseguem ingerir quantidades de forragem suficiente para produções maiores que as citadas. Quando alimentadas exclusivamente com silagem de milho ou sorgo, o teor baixo de proteína destes alimentos limita a produção a patamares inferiores ao das pastagens tropicais. No caso da cana-de-açúcar as limitações em proteína são tão severas que não permitem sequer a manutenção do animal.

O uso de alimentos concentrados tem por objetivo suprir as deficiências nutricionais das forrageiras e permitir produções elevadas das vacas leiteiras. Os concentrados são na grande maioria compostos por suplementos energéticos, suplementos proteicos e suplementos minerais e vitamínicos.

Uma nutrição inadequada pode resultar em baixa produtividade, pois a produção de leite começa pela boca da vaca. É a alimentação oferecida, juntamente com a genética e o ambiente, que promoverá uma boa produção. Uma nutrição inadequada pode, muitas vezes, não estar especificamente ocasionando baixas produtividades, mas impedindo o animal de expressar todo o seu potencial produtivo.

A formulação de dietas para bovinos leiteiros deve ser feita por um profissional capacitado. Sendo um conjunto de alimentos, incluindo sua quantidade respectiva, prescrita para uma determinada categoria animal, a dieta não é uma tarefa de amadores, sendo necessário grande conhecimento dos alimentos, dos animais e os objetivos que se quer alcançar, para isso é importante recorrer à ajuda de profissionais.

Fonte: CPT Cursos Presenciais

Adaptação: Revista Agropecuária

 

Conheça o Curso de Formulação de Dietas e Rações para Bovinos

Bovinos

Cursos

Notícias

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.