De acordo com Aprosoja o uso de agrotóxicos é essencial no plantio das lavouras de soja

Carlos Henrique Fávaro, presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), de olho nos números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que mostram o aumento no número de estabelecimentos que utilizam agrotóxicos no país, afirmou que uso de agrotóxicos no plantio das lavouras de soja em Mato Grosso é essencial para a sustentabilidade da atividade.

Os dados fazem referência ao cenário de 2006, mas de acordo com Fávaro, a compra desses produtos atualmente não diminuiu, pelo contrário, se tornou fundamental para a continuidade do plantio dos grãos em Mato Grosso. Conforme ele, para manter a produção em crescimento, sem precisar aumentar novas áreas, o uso dos insumos é necessário e sustentável.

Fávaro questiona que é possível fazer até três safras por ano, considerando a pecuária, e ter a produção aumentando a cada ano sem precisar abrir novas áreas "o agrotóxico faz esse papel de conciliador". De acordo com ele, a sustentabilidade do negócio ganha força com o uso de produtos cada vez mais eficazes, por outro lado, menos nocivos ao meio ambiente.

Os dados do IBGE, divulgados na sexta-feira (19) apontam que 66% dos entrevistados utilizam agrotóxicos, mas a maioria dos estabelecimentos onde houve utilização de agrotóxicos não recebeu orientação técnica (56,2%). Aponta ainda que os produtores, em sua maioria, se utilizam das tecnologias disponíveis de acordo com o sistema de produção predominante. Com o passar dos anos, há uma tendência do agricultor se especializar e lançar mão mais intensamente destas tecnologias, em detrimento de outras, como, por exemplo, as praticadas na agricultura orgânica ou agroecológica, que obteve baixa adoção entre os estabelecimentos (1,7%).

A utilização da rotação de culturas em relação ao total de estabelecimentos é pouco expressiva, somente (12,4%). É preciso levar em conta que mais da metade deles não recebem assistência técnica para a aplicação desta prática (54,9%).

O presidente da Aprosoja, explica que a rotação de culturas é impraticável em Mato Grosso porque o estado não tem estrutura logística para armazenar a produção. "A safra e a safrinha não podem ser consideradas com rotação de culturas, já que dentro da possibilidade agronômica é necessária uma restrição de plantio de aproximadamente um ano".

 

Quais os benefícios da integração lavoura-pecuária-floresta?

Quais os benefícios do plantio direto para os sistemas de ILPF?

Quais as estratégias para recuperar ou reformar pastagens degradadas de sua região?

 

 

 

Curso de Desenvolvimento Sustentável da Agricultura no Município Através da Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura

Destaques

Notícias

Soja

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.