Uréia na alimentação: sinal de alerta para a intoxicação bovina!

A intoxicação bovina pode ocorrer de diversas formas, uma delas é por meio da ingestão de uréia por animais que não estão adaptados, ou de forma errônea por aqueles que já estão habituados ao consumo.

A substância é muito utilizada na alimentação do gado de corte e de leite, pois é uma fonte protéica de baixo custo. Porém, apresenta algumas peculiaridades e exige cuidado durante o seu fornecimento.

A intoxicação nos bovinos não ocorre diretamente por conta da uréia, mas sim da amônia que é fruto do processo de fermentação ruminal. Além disso, fatores como baixo teor de carboidratos digestíveis na na ração consumida pelo animal e forragens de má qualidade contribuem para a intoxicação.

Sinais característicos da intoxicação 

A intoxicação bovina por uso inadequado da uréia apresenta sinais característicos que variam de acordo com a gravidade do caso. Outro ponto importante é que, eles podem aparecer entre 30 minutos ou até uma hora após a ingestão da ureia. Os sinais mais comuns são:

  • Convulsões;

  • Espasmos violentos;

  • Respiração acelerada;

  • Tremores musculares;

  • Transpiração abundante;

  • Animais contraindo a orelha.

Conhecer todos os detalhes do manejo nutricional do rebanho ajuda a prevenir que este problema aconteça. E mais, ajuda no diagnóstico rápido, aumentando as chances de recuperação do animal.

Dicas para o uso da uréia

Ao pensar na alimentação do rebanho o objetivo é satisfazer as exigências nutricionais, principalmente em termos de energia e minerais. No caso do uso da uréia na ração, é importante que o nitrogênio da substância não ultrapasse 33% do nitrogênio total da dieta.

No caso de animais alimentados com concentrados, o ideal é que a uréia não exceda 3% da mistura. Além disso, deve ser ministrada de forma homogênea no alimento concentrado para que o animal faça a ingestão regular.

Com relação à frequência de fornecimento, o ideal é que ocorra pelo menos duas vezes ao dia e que o controle do consumo individual seja bastante rigoroso. A uréia é muito utilizada misturada a cana-de-açúcar e as palhadas como as de arroz, cevada e feijão. Sabendo usar adequadamente você se livra do risco de intoxicação em bovinos e utiliza um alimento de baixo custo.

Primeiros socorros em bovinos

Diante de situações como esta de intoxicação em bovinos é fundamental agir de forma rápida. Uma boa alternativa é usar água gelada em grande quantidade, cerca de 20 a 40 litros por animal. Ajuda a reduzir a temperatura ruminal e a atividade da urease.

Se você é produtor, técnico ou profissional que trabalha com a área de gado de corte, temos uma ótima dica. No curso de primeiros socorros em bovinos do nosso parceiro CPT - presenciais você vai aprender na prática como agir em diversas situações emergenciais com bovinos a campo e salvar vidas. Clique no banner abaixo e confira!


Fonte: Nutroeste e Coimma

Artigos

Bovinos

Bovinos de Corte

Bovinos de Leite

Destaques

Notícias

Pecuária

Saude animal

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.