Silagem de milho: Uma alternativa para nutrir o rebanho!

silagem de milhoUsar a silagem de milho na alimentação animal é uma prática comum em propriedades leiteiras e de corte. Acontece, que o milho é uma rica fonte de energia, além de ser um alimento palatável e com alta digestibilidade. Assim, quanto maior a proporção de grãos em uma silagem, maior será o seu valor nutricional.

O principal desafio é produzir uma forragem de qualidade usando tecnologias que possibilitem a redução de custos. Para isso, é preciso conhecer bem as etapas do processo de produção. O manejo inadequado aumenta as perdas de matéria seca, interferindo na consistência e qualidade da silagem. Além disso, afeta a produtividade e saúde dos animais.

Por isso, reunimos informações importantes sobre os fatores que devem ser levados em consideração para obter uma produção de sucesso. Fique com a gente até o final e boa leitura!

Alternativa para nutrir o rebanho

A silagem de milho na alimentação animal surgiu como uma estratégia para suprir as necessidades nutricionais dos animais em períodos mais secos. Os padrões de qualidade da silagem sofreram variações com o passar dos anos. No início a prioridade era produzir a maior quantidade possível de massa verde por hectare. Desta forma, o objetivo era reduzir os custos de produção do alimento.

Com o passar do tempo houveram melhorias no padrão genético das vacas. Além disso, houve o entendimento de que a produção de silagens com maior proporção de grãos seria a melhor alternativa. Isso, porque eles são mais digestíveis do que as folhas e colmos.

Neste período, o milho se tornou uma das matérias-primas mais utilizados para o processo de silagem. As principais justificativas são:

  • Alto valor nutritivo;

  • Conversão alimentar;

  • Boa aceitação pelos animais;

  • Custos razoáveis de produção.

Etapas importantes da produção de silagem de milho

Abaixo listamos as etapas que são essenciais para garantir a qualidade da silagem de milho:

Plantio 

Qualidade é um fator determinante na produção de silagem e ela deve estar presente em todas as etapas do processo. Na etapa de plantio e condução da cultura é importante o acompanhamento agronômico de um profissional responsável.

Ponto de colheita

Quando a porcentagem de matéria seca do milho está em torno de 30% é um bom momento para realizar a colheita. Geralmente o ponto ideal dura por cerca de dez dias. Após este prazo o teor de massa seca se eleva e faz com que sejam maiores as perdas na colheita e dificulta o processo de compactação. Além disso, interfere diretamente na digestibilidade dos animais, o que sem dúvidas afeta a produtividade e desempenho.

Compactação

Um dos pontos principais para a obtenção da qualidade na silagem é o processo de fermentação. Então, para que isso aconteça é preciso retirar o máximo possível de oxigênio da massa que será ensilada. Além de controlar a respiração, favorece a elevação da temperatura e a ação das bactérias produtoras de ácido láctico. Desta forma, a compactação é responsável por garantir que o processo seja realizado com maior eficiência.

Ensilagem

Esta etapa irá variar de acordo com a silagem escolhida e compreende outras quatro fases. São elas:

  • Fechamento do silo;

  • Fermentação ativa;

  • Fase ativa;

  • Abertura do silo;

Capacidade de armazenamento do silo

Existem diversos tipos de silos disponíveis, e cada um possui benefícios e restrições em seu uso. Mas de forma geral existem alguns cuidados que facilitam o trabalho. Quanto mais próximos eles estiverem dos animais, mais fácil será para carregar e descarregar a silagem. E mais, a capacidade de armazenamento do silo deve ser avaliada levando em consideração o volume produzido, o nível de compactação e o teor de matéria seca.

Para isso é preciso planejar bem a quantidade de silagem que será utilizada durante o ano, estocando uma quantidade superior ao planejado. Pois, podem ocorrer perdas ao longo do processo de fermentação e retirada para o fornecimento.

Como atingir o sucesso na produção de silagem de milho?

Para atingir o sucesso na produção de silagem de milho o produtor deve seguir alguns passos para incrementar a produtividade:

  • Saber para qual finalidade a silagem de milho vai ser produzida de acordo com as prioridades da propriedade;

  • Análise crítica de todos os aspectos econômicos e técnicos para que não existam erros no processo de plantio;

  • A escolha do híbrido de milho, visando à adaptação da região de cultivo, juntamente com a época de plantio;

  • Os nutrientes disponíveis no solo e um programa de adubação auxiliam no processo de desenvolvimento e produtividade do cultivo;

  • Definir antecipadamente os tipos de equipamentos e maquinários utilizados.

  • Ponto, etapa e manejo ideal para a colheita;

  • Mão de obra, profissionais treinados que saibam aplicar o manejo de forma correta, tendo experiência com plantio, manutenção, colheita e transporte.

Esses e muitos outros fatores fazem a qualidade da silagem de milho ter um diferencial.

O pecuarista precisa ter amplo conhecimento na área antes de investir. Sendo fundamental que ele procure alternativas que façam a diferença no cultivo, com o intuito de manter a lucratividade e sucesso do processo.

Viu como é importante conhecer todas as etapas do processo de produção e utilização da silagem de milho na alimentação animal? Vale lembrar que quanto mais rápido for o processo desde a colheita até a vedação, menores serão as perdas durante a fermentação e no valor nutricional do alimento.

Você é pecuarista e gosta de utilizar as melhores técnicas na propriedade? Então a dica final é para você. No Curso Online de Produção e Utilização de Silagem do nosso parceiro Cursos Online - Criação de Bovinos, você aprenderá a produzir silagem de qualidade, de forma eficiente, reduzindo seus custos com alimentação do rebanho. 

Fonte: Tecnologia no campo, Rehagro e Tecnologia no campo

Agricultura

Bovinos

Bovinos de Corte

Bovinos de Leite

Destaques

Milho

Pastagens

Pecuária

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2020 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.