Conhecendo um botijão de Nitrogênio para inseminação artificial em bovinos

Conhecendo um botijão de Nitrogênio para inseminação artificial em bovinosO botijão de nitrogênio é um recipiente térmico destinado ao armazenamento e conservação do sêmen para inseminação artificial em bovinos. Para que a conservação seja perfeita, o botijão deve receber nitrogênio líquido e estar a uma temperatura de -196ºC. Nessas condições, e desde que se mantenha o nível mínimo com abastecimento periódico, seu funcionamento é por tempo indeterminado. 

Um inseminador deve conhecer não só o que é um botijão de nitrogênio, mas também qual é a sua estrutura, como é feito o armazenamento do sêmen e quais as características do equipamento essencial durante a realização da inseminação. Tenha estas e outras informações ao longo deste artigo! 

Estrutura do botijão de Nitrogênio

O botijão de sêmen se assemelha a uma garrafa térmica. A capacidade da maioria dos botijões é de 1.200 doses de palhetas finas ou 600 palhetas médias. Na sua parede há um vácuo, e também folhas de alumínio e lã de vidro, que determinam o isolamento térmico necessário. O interior do botijão é o espaço onde o nitrogênio é depositado e onde ficam situadas as canecas que armazenam as racks. 

O tamanho do botijão não tem relação com o número de palhetas a armazenar, e sim com a quantidade de nitrogênio que carrega. Botijões grandes levam maior tempo para recarga, sendo cerca de 3 a 5 meses, e botijões menores de 30 a 6 dias. Cada pecuarista escolhe o botijão conforme o tamanho do rebanho a ser inseminado, que, por sua vez, determina a quantidade de doses de sêmen necessárias.

Na boca do botijão estão pequenos encaixes onde são fixados os cabos dos canecos. A tampa, por sua vez, é feita de isopor ou cortiça e tem encaixes para fechar, firmar os canecos e manter a temperatura interna. Entretanto, a tampa não é com vedação total, pois o vapor de nitrogênio deve ser liberado. 

Como o botijão de Nitrogênio deve ser utilizado

Pela importância do material genético acondicionado, o botijão deve ser armazenado e manipulado com o máximo de cuidado, evitando possíveis danos, movimentos bruscos e quedas. Por isso, recomenda-se o uso de caixas de transporte próprias ou que podem ser construídas em madeira. Ele jamais deve ficar solto em carrocerias. 

A forma correta de carregar o botijão de nitrogênio é sempre na vertical. É preciso, também, manter uma identificação dos touros na parte externa das canecas. Além de facilitar a localização do sêmen, a identificação evita que as canecas e as racks sejam levantadas várias vezes no momento da inseminação.

Após identificar o local em que o sêmen se encontra, a caneca deve ser exposta até no máximo 7 cm abaixo da boca do botijão para a retirada da palheta de sêmen. Dessa maneira, a temperatura se mantém e a fertilidade do semên é preservada. Na hora de retirar as palhetas conte sempre com o auxílio de uma pinça para evitar o contato com a mão. 

O transporte do nitrogênio para reabastecimento é feito em outro botijão, sendo o líquido despejado diretamente, usando  um funil de metal. Depois, é recomendado que se faça uma nova medição. Vale ressaltar que o abastecimento de botijões deverá ser feito por meio da aquisição de nitrogênio líquido junto a revendedores especializados. 

Saiba manusear os equipamentos de uma inseminação artificial 

O botijão de nitrogênio para sêmen é um equipamento que possui o claro objetivo de garantir a preservação do material armazenado durante o processo de inseminação artificial. Para que isso aconteça de maneira adequada é importante adquirir um produto de alta qualidade e entender como deve ser realizada a sua utilização.

Com o curso de inseminação artificial e estratégias IATF em bovinos, você será capaz de aplicar as principais técnicas de melhoramento genético e utilizar o botijão de nitrogênio da forma correta. 

Fontes: Cursos CPT, Cursos CPT,  Ouro Fino

Áreas

Bovinos

Bovinos de Corte

Bovinos de Leite

Destaques

Pecuária

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2021 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.