Análise do retorno da pecuária de corte: entenda como calcular

A tomada de decisão baseada no retorno da pecuária de corte requer a utilização de técnicas por parte dos pecuaristas, o que não costuma acontecer na maior parte das vezes. Decretar este retorno baseado apenas em achismo pode prejudicar os lucros da propriedade.

 

Assim, para avaliar o momento certo, dados de controle e ferramentas específicas de projeção de custos ajudam a avaliar o desempenho e realizar investimentos que geram maior retorno. 

 

A premissa é simples: os sistemas de produção que apresentam maior atratividade econômica aos produtores tendem a prosperar. Por isso, conheça neste artigo como adquirir a capacidade de avaliar o retorno econômico da pecuária de corte e realizar uma boa gestão na sua fazenda. 

 

Cálculo do retorno da pecuária de corte

 

O Brasil é considerado um dos maiores produtores de bovinos de corte do mundo. A produção de carne garante atualmente um consumo interno crescente e excedente exportável suficiente para garantir o país na liderança da exportação de carne bovina em relação a outros países. 

 

Nesse sentido, a análise da taxa de remuneração do capital investido (TRC) é uma das ferramentas disponíveis atualmente para calcular o retorno da pecuária de corte e continuar oferecendo bons resultados aos produtores. 

 

A técnica compara o retorno da atividade com o de outros sistemas de produção e taxas de juros, sendo assim, quanto maior a remuneração sobre o capital investido, maior a atratividade do sistema. 

 

No cálculo da TRC, a margem líquida da atividade é representada pela diferença entre a receita bruta anual e o Custo Operacional Total. Ela deve ser dividida pelo capital investido na propriedade, composto pelos valores das benfeitorias, máquinas, implementos, utilitários, rebanho e terra.

 

Na hora de analisar a receita total da fazenda, o gestor de pecuária deve levar em consideração tudo que foi gasto no ano como, por exemplo, os custos e despesas fixos e outras receitas (como valorização da terra). Existem ainda alguns custos e despesas variáveis envolvidos no modelo de recria de gado de corte. São elas: o custo de reposição, o custo com pastagens, o custo de suplementação, os custos com sanidade e o custo de oportunidade dos animais. 

 

Outras nomenclaturas necessárias para calcular o custo de produção e o retorno econômico da pecuária de corte

 

Para análise de custos: 

  • Custo Operacional Efetivo (COE) 

  • Custo Operacional Total (COT) 

  • Custo Total (CT) 

  • Custo fixo e custo variável 

 

Para análise do retorno: 

  • Margem Bruta 

  • Margem Líquida e Lucro 

  • Lucratividade 

  • Rentabilidade 

  • Relação Benefício/Custo

 

Por que saber calcular o retorno da pecuária de corte?

 

Conhecer o custo real de cada cabeça, lote ou rebanho, nas fases produtivas é necessário não só para se apurar a rentabilidade após a venda, como para não manter o gado quando os custos passam a ser maiores que o ganho de peso.

 

As técnicas de análise do retorno da pecuária de corte são importantes não só na atividade agropecuária, mas, em qualquer empreendimento em que se deseja simular formas estratégicas de melhoria de resultados. Qualquer tomada de decisões estratégicas com atividades em andamento se torna inviável sem saber qual resultado será alcançado.

 

Dessa forma, avaliar a fundo os gargalos do sistema produtivo pecuário, otimizando os processos da atividade, deve ser prioridade para os gestores das fazendas. 

Aprenda a aumentar o seu lucro na bovinocultura de corte com um planejamento estratégico eficiente e ferramentas de controle de custos com o Curso de Administração Técnica e Econômica da Produção de Gado de Corte. 

Fontes: Franco, Hygor Gonçalves, Custos e Agronegócio Online, Farm News, Embrapa. 

 

Artigos

Bovinos de Corte

Destaques

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2021 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.