Protocolos para IATF: entenda como funcionam!

Os protocolos para IATF - Inseminação Artificial em Tempo Fixo - foram criados para solucionar problemas que são encontrados com frequência na Inseminação Artificial convencional. Essa biotécnica permite realizar a inseminação em um horário preestabelecido, eliminando dessa forma a necessidade de observação e detecção do cio. 

 

A partir dos protocolos para IATF é possível prever, planejar e otimizar o número de vacas prenhas, o período de nascimento e até mesmo o peso dos bezerros. Isso só acontece devido à sincronização da ovulação das fêmeas bovinas, por meio de uma sequência de tratamentos hormonais, conhecida como protocolo de sincronização.

 

Ou seja, apesar de muito eficiente, o protocolo requer conhecimento avançado em reprodução por parte do médico veterinário. Quer saber tudo sobre IATF? Continue a leitura deste artigo!

 

Principais hormônios da reprodução bovina

 

São chamados de hormônios, substâncias que agem em mecanismos de ação específica dentro do organismo. No caso dos hormônios da reprodução bovina, eles são os responsáveis pelo comportamento sexual, pela gestação, pela lactação e pelo retorno ao cio após o parto. Produzidas em um tecido ou fonte, estas substâncias podem ter naturezas diversas: lipídeos, proteínas, entre outras.

 

Visto isso, dizemos que a inseminação IATF faz uso de protocolos hormonais. Através deles, se torna possível um maior controle sobre a ovulação, permitindo inseminar um grande número de animais na menor janela de tempo possível. 

 

Entre os hormônios envolvidos no procedimento de reprodução, destacam-se sete:

 

  • Hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH) 

  • Hormônio folículo estimulante (FSH) 

  • Hormônio luteinizante (LH) 

  • Progesterona 

  • Estrógeno 

  • Inibina 

  • Prostaglandina

 

Conhecer os hormônios e saber como utilizá-los a favor da eficiência reprodutiva é essencial para aumentar a lucratividade do seu rebanho e obter as vantagens que os protocolos para IATF podem oferecer. 

 

Protocolos mais usados na IATF

 

Seguir o protocolo IATF é a construção para os resultados finais do processo. Logo no primeiro momento, o veterinário deve avaliar os animais que tenham parido a mais de 40 dias, realizando, também, uma avaliação da saúde sanitária. 

 

Devem ser analisados fatores como, vacinação em dia, uso do manejo nutricional adequado, com fornecimento de alimentação e nutrientes corretos, além de água limpa em abundância, e as condições da propriedade. 

 

Após os cuidados e checagem iniciais, o veterinário responsável pela IATF deve seguir três etapas. Primeiro é feita a sincronização do crescimento dos folículos ovarianos por atresia (associação de estrogênio com progesterona) ou por ovulação com o auxílio dos hormônios GnRH, LH e hCG. 

 

O segundo passo consiste no controle dos níveis de progesterona pela manutenção da concentração fisiológica deste hormônio durante o protocolo e pela redução do nível de progesterona ao final.

 

Por fim, o terceiro e último passo, acontece por meio da indução da ovulação sincronizada (estrógenos, GnRH, LH e hCG), possibilitando realizar a IATF em momento programado.

 

Como alcançar bons resultados com o protocolo para IATF

 

Para saber se a Inseminação Artificial em Tempo Fixo atingiu o resultado esperado é preciso medir alguns indicadores, bem como: Escore de condição corporal (ECC), Manejo nutricional e sanitário, Categoria Animal, Efeito Touro, Qualidade do Inseminador, Manifestação de Estro, Conhecimento do Rebanho e Equipamento de contenção. 

 

Além disso, bons resultados só são alcançados quando há um médico veterinário capacitado atrás do procedimento. Para você que quer aprofundar seus conhecimentos na área de reprodução bovina, participe do Curso de Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Bovinos (IATF Avançado). Além de melhores resultados, você também complementa seu currículo. 

 

Fontes: Senar Minas, Prodap, CPT Cursos Presenciais 1,CPT Cursos Presenciais

 

Artigos

Bovinos

Bovinos de Corte

Bovinos de Leite

Destaques

Pecuária

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2022 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.