Utilização do silício diminui uso de agrotóxicos

O elemento silício (Si) é considerado um nutriente "benéfico", não sendo essencial para a sobrevivência das plantas. Apesar disso, os silicatos são absorvidos por elas, em grandes quantidades, podendo superar a absorção de alguns macronutrientes, em certas espécies de plantas.

O uso de silício na agricultura é interessante pelo enorme potencial para diminuir o emprego de agrotóxicos e aumentar a produtividade através de uma nutrição equilibrada. Pode ser usado, principalmente, em culturas de monocotiledôneas, como arroz, cana, pastagens, tendo alto efeito benéfico nas mesmas.

O silício normalmente é fornecido ao solo em forma de Silicato. Para que o Silicato seja empregado no solo é necessária a retirada dos metais pesados, algumas vezes, em alta concentração, o que pode provocar sérios problemas ambientais.

As principais fontes de silicatos para a agricultura são: escórias de siderurgia, wollastonita, é um silicato de cálcio muito empregado em experimentação como fonte de Si; subprodutos da produção de fósforo elementar, silicato de cálcio, silicato de sódio e cimento.

Algumas características para o uso de silício, na agricultura, devem ser levadas em conta, como: alta concentração de silício solúvel, boas propriedades físicas, facilidade para aplicação mecanizada na área, boa disponibilidade para as plantas, boa relação e quantidade de Cálcio (Ca) e Magnésio (Mg), baixo custo para o agricultor.

Para o solo o silício atua:

  • Corrigindo a acidez do solo (aumento do pH);
  • Redução do efeito do alumínio trocável;
  • Aumento dos teores de cálcio e magnésio;
  • Aumento na disponibilidade de fósforo e micronutrientes, pelo fato do Silício fornecido ao solo competir com estes elementos, reduzindo sua fixação e aumentando a liberação para as plantas;
  • Redução no efeito tóxico do ferro, manganês e alumínio;
  • Aumento da saturação por bases do solo;
  • Aumento do teor de Silício solúvel no solo.

E para a planta, o silício confere beneficamente:

  • Maior tolerância às pragas (sugadores e mastigadores) e doenças (principalmente fúngicas), devido a maior resistência da parede celular, em razão da presença de sílica. O silício acumulado na superfície das folhas polimeriza e forma uma camada dura, resistente e difícil de ser penetrada pelos insetos e fungos.
  • Maior resistência ao acamamento (tombamento)
  • Maior taxa fotossintética devido à melhoria da arquitetura foliar pela presença de maior quantidade de silício nos tecidos de sustentação/suporte do caule e das folhas.
  • O acúmulo de silício nas folhas forma uma dupla camada de sílica que provoca a diminuição na abertura dos estômatos, reduzindo a perda de água devido à redução da transpiração, podendo ser um fator de adaptação ao estresse hídrico.
  • Reduz os danos provocados pela geada.

 

Fonte: Site Rural Pecuária   Adaptação: Revista Agropecuária  

 

Veja também:

Fertilizantes: saiba como fertilizar o solo para aumentar sua produção

Técnica de esterco com fungo combate parasitas em animais

Controle biológico de pragas e de doenças no plantio direto do milho  

Agroindústria

Áreas

Artigos

Biotecnologia

Destaques

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.