Arroba do boi gordo volta a subir devido à alta no preço do milho

A arroba do boi gordo passou a casa dos R$ 100,  no mercado paulista, na última semana. Os preços voltaram a ficar firmes, depois de um período de pressão entre maio e junho, por conta da entressafra e do ainda pequeno volume de animais em confinamento, entrando no mercado, de acordo com analistas.

Em março, a arroba chegou aos R$ 104, no interior de São Paulo, lembra Alex Lopes, analista da Scot Consultoria. No entanto, a queda das temperaturas entre maio e junho prejudicou as pastagens e levou pecuaristas a desovarem animais. "Houve uma bolha [de oferta]", afirma.

Agora, segundo Lopes, acabou o animal de pasto e o volume de bois confinados não deve crescer como se esperava. "Deve haver um aumento em relação ao ano passado, mas não tão expressivo", comenta Lopes.

No primeiro semestre, a Associação Nacional dos Confinadores (Assocon) estimou avanço de 30% a 31%, no confinamento em 2011, sobre o ano passado. Em 2010, o grupo de cerca de 60 pecuaristas ligados à Assocon ofertou 1,99 milhão de bois para o abate.

Mas o presidente da Assocon, Eduardo Alves de Moura, reconhece que o crescimento de 30% a 31%, no país, não deve se concretizar. Diz, porém, que ainda é difícil estimar um novo número. Para o dirigente, apenas o Mato Grosso tem potencial para um aumento da ordem de 30%, pois há confinamentos novos no Estado e as pastagens locais sofreram muito por causa da seca e da morte súbita do capim.

A razão para o confinamento crescer menos que o previsto é, principalmente, a alta dos custos de produção. "O custo do milho aumentou muito e o grão tem um peso muito grande no confinamento", afirma Moura. Ele acrescenta que os preços do boi magro, para reposição, também subiram.

Segundo Nádia Alcântara, da consultoria Informa Economics FNP, enquanto um boi magro era negociado a R$ 1.044, em julho do ano passado, atualmente, está entre R$ 1.100 e R$ 1.200. Ela acrescenta que há oferta de animais confinados no mercado, mas "em volumes pequenos".

Ainda que a demanda, este ano, "patine" em relação a 2010, como diz Alex Lopes, a expectativa é de preços firmes para o boi, até setembro, quando começa a entrar um volume maior de animais confinados.

Para Lopes, a recomposição do rebanho nacional - iniciada em 2007 após forte abate de matrizes, em anos anteriores - "está acontecendo aos poucos, de forma gradativa". Segundo ele, apesar de a recomposição ocorrer, esta "ainda não conseguiu atingir a demanda existente."

 

Fonte: Valor econômico  

Conheça o Curso de Manejo Nutricional de Gado de Corte (Alimentação e Alimentos)

  Veja outras publicações da Revista Agropecuária: Chip do boi Rio Branco (AC) recebe a quarta etapa do circuito boi verde Como avaliar a maciez da carne bovina  

Quer ficar informado? Cadastre-se e receba nossas novidades diariamente!

Digite seu e-mail: 

Notícias

Pecuária

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2020 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.