Mercados que declararam embargo à carne bovina do Brasil respondem por menos de 1% das exportações

A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) manteve a classificação sanitária do Brasil de risco insignificante, mesmo com a confirmação da presença do agente causador da Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), mais conhecida como doença da vaca louca, em um animal morto no Paraná em 2010.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento informou na última sexta (14) que os adidos agrícolas brasileiros na China e África do Sul apresentaram documentos sobre a carne brasileira às autoridades sanitárias dos dois países. O mesmo havia sido feito pelo adido brasileiro no Japão. Ainda não há previsão para envio das missões técnicas, anunciadas pela pasta, aos países que estabeleceram o embargo. De acordo com o ministério, isso deve ocorrer em um segundo momento mediante a demanda por esclarecimentos adicionais.

A Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) informou que deve enviar representantes às viagens técnicas do governo. Na avaliação de Fernando Sampaio, diretor executivo da entidade, "não há justificativa técnica" para o embargo. Segundo ele, caso a restrição às compras permaneça, a Abiec recorrerá à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e à Organização Mundial do Comércio (OMC).

Os mercados da China, África do Sul e o Japão, que declararam embargo à carne bovina do Brasil, responderam por somente 0,94% das exportações do produto de janeiro a outubro deste ano. Paralelamente, Rússia, Hong Kong e Egito, principais importadores, compraram 42,1% dos produtos vendidos no mesmo período, conforme dados do Mapa.

Enquanto a China, África do Sul e o Japão compraram 11.693 toneladas do que foi vendido no período, Rússia Hong Kong e Egito adquiriram 523 mil toneladas, do total de 1,24 milhão de toneladas.

Em relação ao caso da EEB, o ministério esclarece que foi um caso não clássico em que não ocorreu manifestação da doença. Na sexta-feira, o Brasil recebeu apoio também da Federação dos Fazendeiros e Agricultores da Venezuela (Fegaven). O presidente da entidade, Balsamino Belandria, disse, em entrevista à Agência Venezoelana de Notícias (AVN), que os animais importados do Brasil estão em "ótimas condições". Belandria disse ainda que entregou um comunicado ratificando a salubridade do gado brasileiro ao Ministério de Agricultura e Terras e ao Instituto Nacional de Saúde Agrícola daquele país. No entanto, frisou que cabe aos organismos internacionais autorizados se pronunciarem sobre o risco de contágio da EEB.

O diretor da Abiec, Fernando Sampaio, acha pouco provável que a decisão da China, África do Sul e do Japão se torne uma reação em cadeia. Para ele, a decisão da OIE de não alterar a classificação de risco do Brasil e os esforços do governo federal para prestar esclarecimentos devem ser suficientes para reverter à situação.

O ministério anunciou que apresentará documentação pertinente sobre o assunto às embaixadas de todos os países importadores do produto, além do esforço junto às nações que suspenderam a comprar da carne brasileira. O relatório da OIE atestando a classificação de risco insignificante para consumo da carne brasileira está entre os documentos apresentados na defesa do Brasil.

Fonte: Rural Centro

Adaptação: Revista Aropecuária

 

 

 

Conheça o Curso de Administração Técnica e Econômica da Bovinocultura de Corte

 

 

  Veja outras publicações da Revista Agropecuária: Escala do boi gordo está heterogênea Falta de pastagem desvaloriza bezerro desmamado em MG Manejo Intensivo de Pastagem  

 

Bovinos de Corte

Notícias

Pecuária

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.