O manejo adequado é essencial para quem busca alcançar bons índices zootécnicos

O Brasil passa por um momento ímpar, em relação à produção de carnes. O aumento da demanda mundial por alimentos e, sobretudo, por proteínas nobres de origem animal tem permitido ao país aumentar e consolidar sua posição de maior exportador global.

Para atingir o potencial máximo de produção, os pecuaristas brasileiros precisam adaptar-se e ter mais habilidade com os números. A falta de planejamento e os baixos índices produtivos são uma realidade constante em sistemas de produção de gado de corte no Brasil, bem como o desconhecimento da real situação limita o estabelecimento de metas e execuções pontuais em busca da evolução, resultando em baixos índices e modestas rentabilidades.

O melhoramento genético, nutrição e sanidade são os requisitos que precisam funcionar para que a produção brasileira se desenvolva. O produtor que não consegue fechar este ciclo, provavelmente não terá retorno econômico.

O manejo adequado e um acompanhamento rigoroso são essenciais para quem busca alcançar bons índices zootécnicos. Deve-se ter muita atenção tanto em relação à parte quantitativa como qualitativa de pastagens e mineralização, deve-se ainda garantir total higidez dos animais (vacinações, vermifugações, controle estratégico de endo e ectoparasitas).

A administração correta é o que determina o sucesso de qualquer atividade. Sem os dados e as informações do rebanho, não tem como gerenciar a propriedade.

Para identificar os principais pontos críticos dentro de um sistema de produção o proprietário precisa estar de olho nos índices zootécnicos e assim identificar em qual etapa o trabalho está ineficiente:

  • Índice de fertilidade: é a relação do número de fêmeas em cobertura que ficaram prenhes em determinado período de exposição reprodutiva. Para evitar prejuízo, esse índice deve ser igual ou maior que 80%.
  • Índice de fecundidade ou natalidade: é a forma de medir o resultado das fêmeas que foram submetidas à cobertura, emprenharam e quantas levaram a gestação a termo.
  • Índice de mortalidade intrauterina: que representa o índice de perdas de animais que foram abortados, reabsorvidos ou natimortos. Esse índice é muito importante, pois, pode ajudar a identificar problemas sanitários, através de exames realizados por médicos veterinários, que muitas vezes passam despercebidos pelo produtor (neospora, brucelose, vibriose, campilobacteriose entre outras).
  • Taxa de desmame (%): é um das taxas mais importantes, pois representa o total de animais desmamados em relação às vacas expostas em reprodução dentro de um determinado ano agropecuário. Esse índice reflete o dado global da atividade de cria, pois está diretamente relacionado á todos os índices anteriores, qualquer alteração dos índices anteriores influenciará a % de desmame.
  • Relação desmama: refere-se ao percentual do peso do bezerro em relação ao peso da mãe.
  • Produção real (KG): mostram quantos Kg de bezerro a vaca desmamou no ano.
  • Período de serviço: é o período entre o parto e uma nova concepção, para uma pecuária rentável, o número deverá ser o menor possível, preferencialmente entre 75 e 80 dias, esse índice irá influenciar diretamente o intervalo entre partos. Sem dúvida é característica que tem maior impacto econômico dentro de um sistema de produção.
  • Intervalo entre partos (IEP): o ideal é que os animais consigam ter um IEP médio de 12 meses, pois o período de gestação dura em torno de nove meses (280 dias). O período de puerpério, ou seja, período de involução e recuperação do tecido funcional do útero para uma nova concepção, dura em média 45 dias, resta assim mais 45 dias para esse animal emprenhar, e ter um bezerro dentro de 12 meses, levando em consideração que o bovino apresenta intervalo entre cios de 21 em 21 dias (podendo variar de 17-24 dias dependendo do número de ondas de crescimento folicular), o animal poderá apresentar dois cios férteis e se o animal emprenhar nesse período pode ter até dois partos dentro de 12 meses.
  • Taxa de desfrute: este índice mensura o quanto se vende do que se tem.

Existem várias outras metodologias de mensuração de indicadores zootécnicos, sendo muito importante seguir sempre a mesma metodologia para adquirir confiabilidade nos dados e tomar decisões.

O conhecimento destas informações possibilita apurar o valor de todos os recursos (insumos) e operações (serviços) em relação à produtividade, além de conseguir identificar os principais pontos críticos dentro de um sistema de produção e tomar as ações corretivas a tempo.

Fonte: Dia de Campo

Autor: Diego Botelho- Médico veterinário

Adaptação: Revista Veterinária

 

 

 

Conheça o Curso de Manejo Nutricional de Gado de Corte (Alimentos e Alimentação)

 

 

 

Veja outras publicações da Revista Agropecuária: Escala do boi gordo está heterogênea Falta de pastagem desvaloriza bezerro desmamado em MG Manejo Intensivo de Pastagem    

 

Artigos

Bovinos

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2020 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.