Desmama de bezerros de corte: conheça os diferentes tipos

Desmama de bezerros de corte conheça os diferentes tiposA pecuária de corte é um tipo de produção que requer planejamento e boa gestão por parte do pecuarista. Assim, saber como executar cada uma das etapas é fundamental para ter um bom resultado com o rebanho. Pensando nisso a desmama de bezerros de corte é uma etapa muito importante da criação. Comumente, a desmama acontece entre os 6 e 8 meses de vida do animal.

Nesse período acontece a apartação permanente do bezerro. Ele tem grande importância para o produtor pois a desmama de bezerros deve ser realizada com os animais o mais pesados possível. Dessa forma, eles estarão prontos para o abate ou para se tornarem matrizes de produção mais cedo, diminuindo o tempo de produção.

O processo de desmama de bezerros pode acarretar duas situações de estresse que prejudicam o desenvolvimento dos animais. São eles:

  • Estresse nutricional: causado pela mudança de alimentação, e pode ser agravado dependendo da qualidade da pastagem oferecida aos bezerros desmamados;

  • Estresse psicológico: causado pela separação do bezerro e sua mãe. Nessas situações o animal sente falta da proteção materna e tem grande incômodo ao se ver obrigado a se proteger, socializar e se alimentar sozinho.

Considerando todos esses fatores, podemos ver como a desmama de bezerros de corte tem um impacto sobre a produção. Como é importante que o pecuarista saiba planejar essa transição. Por isso, vamos listar os principais tipos de desmama, apontando suas características, para ajudar na escolha do melhor caminho para o rebanho. Confira!

Tipos de desmama de bezerros de corte

Existem diferentes formas de desmama de bezerros de corte, e sua escolha vai de acordo com a finalidade do produtor, variando as intencionalidades. Nesse processo podem ocorrer em diferentes momentos da vida do bezerro. Pensando nisso existem três tipos principais de desmama que merecem atenção: a desmama precoce, a desmama temporária ou interrompida e a desmama tradicional.

Desmama precoce

Esse modelo de desmama de bezerros é realizada entre 90-120 dias de vida, separando definitivamente o animal da mãe. Esta prática é recomendada para períodos de escassez de forragem e tem como intencionalidade reduzir o estresse da amamentação (e suas necessidades nutricionais) das fêmeas, em especial de novilhas. Assim, as vacas que passaram por gestações podem recuperar seu porte e manifestarem o cio. Esta prática deve ocorrer no período de monta, possibilitando a reconcepção imediata das fêmeas.

A fim de evitar problemas com os bezerros existem algumas medidas. Para os animais que, mesmo após o terceiro mês de vida e já pastando e ruminando, podem sofrer com a desmama e correr risco é de óbito, é recomendado que a desmama seja realizada apenas levando-se em conta alguns pontos:

  • Desmama em animais com peso superior a 90 Kg;

  • Considerar a época adequada para cada região, sendo necessário consultar um especialista;

  • Possuir pastos com alto valor nutritivo;

  • Utilizar suplementação com ração concentrada até 5-6 meses de idade;

  • Uso de creep-feeding ou creep-grazing na fase pré-desmama.

Desmama temporária ou interrompida

Esse tipo de desmama de bezerros de corte é utilizada por ser de fácil adoção e custo zero. Além disso, é muito usado para a melhoria da fertilidade de rebanhos de corte, utiliza-se a remoção temporária do bezerro, que se baseia em separar a cria da vaca, por um período de 48 a 72 horas, a partir de 40 dias pós-parto.

Dependendo da condição corporal da vaca, esta prática pode provocar o aparecimento do cio, podendo aumentar a taxa de concepção das genitoras em até 30%. É importante destacar que essa prática tem mais efeito quando a condição do animal é regular, em fêmeas em regime de ganho de peso.

Ainda nesse sistema, é interessante manter os bezerros no mangueiro por um período curto, com água e forragem à vontade, com as mães pastando nas mangas externas. Assim, é possível manter os animais mais calmos sem prejuízo ao peso do bezerro. 

Desmama tradicional

Este tipo de desmama de bezerros depende, principalmente, da condição corporal da vaca e da disponibilidade de boas forragens e suplementação alimentar. É comum em gado de corte, sendo realizada entre 6-8 meses, podendo ser antecipada ou adiada, aconselhando o uso de suplementos ao bezerro.

A desmama deverá ocorrer no início do período seco, e o início da lactação em épocas de forragens de qualidade elevada, pois é o período que exige maior valor nutricional. Assim, com a estação de monta entre Outubro/Novembro a Janeiro, a desmama deve acontecer entre Janeiro/Fevereiro a Abril/Maio do ano seguinte, quando em geral inicia o período de seca.

Como meta, devemos estabelecer um peso ajustado ao desmame, que no tempo aproximado de 200 dias, deve equivaler a 45% do peso adulto da vaca em reprodução para fêmeas e 50% para machos. Para isso, os animais devem ser pesados após jejum de 12 a 24 horas após o desmame. Outro ponto interessante é a permanência junto aos bezerros desmamados, algumas vacas chamadas "madrinhas", como forma de diminuir o estresse.

Independente da forma, a desmama de bezerros provoca estresses nos animais e em suas genitoras. Por isso, ela deve ser acompanhada de perto por profissionais especializados, juntamente com o olhar atento do produtor, evitando perda de rentabilidade e produção.

Assim, é importante que o pecuarista conheça bem todos os aspectos de manejo e administração do rebanho. Dessa forma é possível controlar os processos com base nos resultados esperados, e assim manter o rebanho alinhado com os objetivos da produção. Dessa forma é possível realizar correções e alterações nos pontos chave e gerir de forma mais tranquila a propriedade.

Quer ser capaz de conhecer sua produção por inteiro, conhecendo os aspectos de administração e manejo? CLIQUE AQUI e não perca essa oportunidade!

Fontes: Embrapa

Cursos na área de gado de corte

Artigos

Bovinos de Corte

Destaques

Pecuária

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2020 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.