Queda dos preços da carne bovina

De acordo com pesquisas realizadas pela Scot Consultoria a desvalorização acumulada da carne bovina sem osso é de 5,5%, o consumo da mesma não tem ajudado na recuperação, apesar da restrição na oferta de matéria-prima.

A desvalorização chega a 1%, com cortes de traseiro apresentando queda de 2,2% e a carne de dianteiro ficou 3,3% mais cara, em média semanal. As carnes menos nobres são as mais consumidas, perante poder de compra restrito da população.

Os frigoríficos encontram-se em situação positiva comparado a um ano atrás, de acordo com a pesquisa. A situação foi mais favorável aos vendedores da carne com osso, com aumento de 21,5%, seis pontos percentuais maiores que 2012. Para as que fazem desossa a melhora é de dois pontos percentuais, apesar destas possuírem margem superior, 23,3%.

Há procura por menores preços de vendas, mas o mercado travou nos menores valores ofertados. Segundo a pesquisa, os pecuaristas retraíram a oferta e o volume de negócios diminuiu. A referência ficou em R$98,00 por arroba à vista e R$99,00 por arroba a prazo, em São Paulo.

Fonte: Pecuária Rural

Adaptação: Revista Agropecuária

 

 

 

Conheça o Curso de Administração Técnica e Econômica da Bovinocultura de Corte

 

 

  Veja outras publicações da Revista Agropecuária: Cotação do boi gordo tem queda em relação ao aumento salarial Aumento da chuva retém boiada nos pastos Doenças ocorridas no cultivares de soja      

 

Bovinos de Corte

Notícias

Pecuária

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2020 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.