Sistema de pastejo é uma forma antiga para controlar a alimentação do animal

Para controlar a alimentação do animal, o agricultor utiliza o sistema de pastejo que é a forma mais clássica para esta finalidade. O produtor pode optar por dois sistemas de pastejo: o contínuo e o rotacionado. O sistema mais utilizado é o contínuo por ser um sistema que exige menor gastos para sua instalação, sendo necessária somente a instalação de cercas, de água e cocho.

No sistema contínuo os animais permanecem o ano todo na pastagem; é necessária a utilização de uma pastagem de ciclo perene. Neste sistema o recomendado é usar diferentes categorias (bezerro, vaca magra, boi magro) ajustadas de acordo com a capacidade de produção da forragem (categorias mais leves em área de menor produção ou o ajuste de maior lotação para as categorias mais leves). É importante também distribuir de forma inteligente os cochos, a água e o sombreamento e fazer o uso de suplementação (mineral durante todo o ano e proteico na época da seca).

As desvantagens do sistema contínuo é que nele há uma maior seleção dos animais (preferem alimentar das folhas a os colmos); as excreções dos animais são distribuídas aleatoriamente (há uma degradação desproporcional da área); e no caso de falta de controle da lotação, pode haver aumento das espécies invasoras.

O sistema de pastejo rotacionado se caracteriza pela mudança periódica e frequente dos animais de um piquete para o outro, objetivando dar um período de descanso para as forrageiras.

No sistema de pastejo rotacionado, as áreas são divididas em piquetes que são submetidos a períodos alternados de pastejo e descanso. Neste método de pastejo, após a ocupação de cada piquete, por um período de tempo variável de alguns dias, quando sua vegetação é desfolhada total ou parcialmente, o piquete permanece em descanso, sem a presença dos animais, para a recuperação de sua folhagem, completando o ciclo de pastejo.

Para o cálculo do número de piquetes de um sistema rotacionado deve-se levar em consideração a forragem com que está se trabalhando e a lotação do sistema. Uma fórmula para calcular o número de piquetes necessários para o pastejo rotacionado é: Nº de piquetes = período de descanso / períodos de pastejo + 1.

Os períodos de descanso variam de 28 - 56 dias, sendo essa uma variável ligada à espécie da forrageira.

Fonte: Info Escola

Autor: Marcos Duarte

Adaptação: Revista Agropecuária

 

 

 

Conheça o Curso de Irrigação e Manejo de Pastagens

 

 

 

Veja outras publicações da Revista Agropecuária: Manejo de pastagem bem feito, melhora a produção pecuária Importação Argentina de produtos lácteos preocupa produtores brasileiros de leite Encontro Minas Leite - SUPERAGRO 2012

 

Notícias

Pastagens

Pecuária

Sites relacionados
Revista Veterinária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2019 Revista Agropecuária. Todos os Direitos Reservados.